Doença Invisível – o Ego

Quando uma criança nasce, ela abre-se ao mundo. Ela não tem consciência daquilo que é, apenas vê e sente  o exterior. Ela vê a mãe, sente os outros, observa a realidade mas em nenhum momento ela tem percepção do seu Eu. Isto tudo é natural porque a criança nasce para fora, para o mundo e então só tem consciência do Outro, só ouve os outros, só sente os outros. Pouco a pouco vai tendo consciência do seu corpo quando tem fome, quando se sente desconfortável ou quando quer carinho. É nesta fase que começa a construção do ego. A mãe diz o quanto ela é bonita, o quanto a adora e o quanto é feliz por ela estar cá. O ego começa a crescer  com amor, mas não é nada mais que um reflexo de palavras e sentimentos que colocam logo desde nascença e que são acrescentados por outras pessoas que se vão juntando a nós. O mesmo acontece quando o reflexo é contrário e há raiva, ninguém aprecia a criança ou ninguém lhe sorri e assim nasce um ego triste magoado e sentindo-se inferior e triste. Ainda assim é um reflexo da sociedade. Não é o nosso verdadeiro eu, porque não nos é dado oportunidade de nos conhecermos a não ser através de outros, pelo menos na infância.

O ego é a nossa personalidade, ou melhor, é a personalidade que a sociedade criou em nós. Tornando-nos marionetes uns dos outros, suprimindo as nossas necessidades e sentimentos e indo assim guardando tudo o que não faz sentido para as pessoas que nos rodeiam.

É criado assim um falso centro em nós – o Ego, um centro que definimos como nossa personalidade e que em momento algum pode ser abalado. Um centro cheio de EGOísmo e verdades falsas em que os julgamentos aos outros são constantes, esquecendo-se que foram esses outros que criaram o nosso ego. O nosso verdadeiro centro existe, neste reside a Alma. E para a Alma só existe um, somos todos um. Todos iguais.

Freud já dizia que O ego é um pobre coitado, porque não é nada. E a verdade é que quando abalado ou magoado, o nosso ego sente-se perdido e a tendência é atacar, porque não é nada. O ego não existe, porque não passa de pensamentos que foram induzidos em nós. E onde está a nossa maneira de pensar? Onde está a nossa verdadeira essência?

Essa começamos a descobrir mais tarde, quando sentimos uma tristeza enorme e um vazio que nada nos satisfaz. Então começa a busca em que muitos se perdem pelo caminho através dos medicamentos e supostas depressões e outros continuam a incessante busca de saber quem somos realmente.

Nesta fase o Ego começa novamente a manifestar-se  porque não quer perder o poder e então arranja desculpas e grita contra tudo o que é de diferente da sua realidade. Mais uma vez se perdem umas quantas Almas aqui.

Só os corajosos e aventureiros têm a força para enfrentar o Ego e destronar todos os julgamentos, pensamentos, dogmas , ideias e EGOísmo que foi criado durante anos. Só os corajosos tem força para ver que a mágoa que sentimos não é nossa, foi criado por outros. Então os corajosos têm força para criar a sua essência, deixar vir ao de cima o seu amor, os seus sentimentos, sem preocupações do que os outros pensam, porque afinal somos todos iguais. Todo este processo é muito difícil e pode demorar mais uns quantos anos. Somos apelidados de diferentes e estranhos, simplesmente porque decidimos ser diferentes e  assumir-nos sem mágoas e cientes daquilo que estamos cá a fazer neste planeta.

Mas o melhor de tudo é que Somos felizes, quando percebemos o sistema e como funciona, sem o nosso ego a dizer “ não és capaz” “ não foi isso que te ensinaram” “para teres atenção tens de magoar alguém” “mostrares amor e sentimentos é burrice”- quando passamos essa fase, somos felizes.

Já pensou o quão é maravilhoso é acordar todos os dias e sentir-se bem, sentir-se feliz e gratos por tudo o que o mundo lhe oferece. Quantas vezes agradecemos pelo que temos? Poucas com certeza, isto porque o Ego acha que nunca temos nada, que não merecemos nada e que somos uns pobres infelizes e por isso colocamos mais uns quantos á nossa volta infelizes.  Acordar e agradecer nem que seja por ter cama, faz com que o Ego comece a dissipar-se e o Universo comece a conspirar a nosso favor.

A maioria das nossas doenças físicas provêm do ego, quando não temos em conta a nossa vontade e andamos ao sabor do vento, quando a nossa realidade se torna a dos outros, quando não conseguimos relaxar nem ver a real realidade que nos rodeia. Quando isto acontece o nosso corpo começa a criar defesas. Defesas essas que vão contra  o ciclo natural hormonal corporal, criando assim doenças físicas como ansiedades, diabetes, tiroidismo, colesterol , etc, etc chegando ao ponto de cancros muitas  das vezes.

Como terapeuta deparo-me com muitos Egos, pessoas não querem perder aquele emprego, aquela pessoa, a sua própria POSIÇÃO. Esquecem-se que para alcançar a felicidade que tanto desejam têm largar muitas coisas a que estão habituadas e que já não fazem falta. Mas o seu Ego fala mais alto e diz “EU preciso disto, Eu sou isto “. Quanto egoísmo sai destas Almas quando não há percepção da realidade e queremos apenas porque o nosso ego lhe apetece.

O ego é necessário para conseguirmos viver em sociedade e ter em conta certas regras que são precisas para conseguimos adaptar-nos. Mas não mais que isso.

Existem várias terapias que ajudam a destronar o Ego como, Conexão AVA, Cura Multidimensional Arcturiana, Cura Quântica Estelar, Terapia Multidimensional e para os mais corajosos cerimónias xamânicas de Ayahuasca e Iboga.

Com certeza o seu Ego já se estará a manifestar devido ao que leu e aquilo em que acredita.

Cabe a si descobrir se é feliz com esse ego.

O ego vai sempre manter-nos aprisionados, seja por vícios ( tabaco, drogas, jogo, pessoas, etc) ou seja por pensamentos.

O nosso espírito é livre, a nossa Alma é livre por isso é tão difícil matar o Ego. É doloroso livrarmo-nos do que nos mantém presos.

Ainda assim somos e seremos sempre livres, basta escolher.

 

By Célia de Jesus